Festicom 2018: oportunidade para valorizar seu portfólio

 

Premiação Festicom 2017

Premiação do Festicom 2017

O 2º semestre está chegando, e com ele o nosso Festival de Comunicação (Festicom 2018). Este ano, a programação será dividida em dois dias.  No dia 15 de agosto (quarta-feira) acontecem oficinas práticas ministradas por profissionais das áreas que estão atuando no mercado. O objetivo é trazer para a sala de aula a vivência do mercado de trabalho, compartilhando com os acadêmicos conhecimentos e o que eles devem esperar ao sair da faculdade. Já no dia 16 (quinta-feira), acontece uma troca de experiência com um case de sucesso em comunicação diferenciada e independente e, em seguida, as premiações dos trabalhos inscritos pelos acadêmicos no Festicom.

O Festicom é um evento dos Cursos de Publicidade e Propaganda e Jornalismo, e uma excelente oportunidade para os acadêmicos mostrarem o que vêm desenvolvendo ao longo da graduação. Podem ser inscritos trabalhos desenvolvidos entre o primeiro semestre de 2017 e julho de 2018, desde que as produções não tenham sido premiadas em uma edição anterior do festival.

Para o acadêmico do 5º semestre de Publicidade e Propaganda, Pedro Person, premiado no Festicom 2017, é satisfatório ganhar e ver que os trabalhos são reconhecidos, o que incentiva o aluno a concorrer novamente. “É um momento bem legal de socializar os trabalhos e compartilhar as ideias. Ao mesmo tempo, participar e concorrer nas categorias é uma forma de perceber como está o seu trabalho em meio aos outros, até porque cada pessoa possui uma forma de criar, de analisar as informações e transformar isso em um trabalho. Participando do Festicom você consegue ter uma noção de o que está dando certo no seu trabalho, o que poderia ter sido feito diferente, o que pode ser aprimorado. É um momento de absorver referências e ao mesmo tempo, talvez, ser referência para outras pessoas”, comenta.

A formanda de Jornalismo, Valéria Foletto, reitera a importância do Festicom para o acadêmico, uma vez que valoriza os trabalhos produzidos em aula, pois “é uma forma de você, cada vez mais, tentar fazer o seu melhor nas disciplinas de áudio, foto e vídeo, por exemplo. E o curso promovendo esse evento valoriza estas produções, os alunos tendo a chance de concorrer conseguem avaliar os próprios trabalhos e o curso”.

Ainda não está convencido em participar? Então aproveita essa vantagem incrível: ao se inscrever para participar do evento, cada acadêmico tem direito de inscrever dois trabalhos. Porém, não é obrigatório concorrer apenas com dois trabalhos. Para quem tiver interesse, basta selecionar na hora da inscrição o número de trabalhos que gostaria de inscrever. A escolha das categorias correspondentes deve acontecer na hora da entrega dos trabalhos. Então, não perca tempo!

Ah, não esqueça de preparar uma defesa para o seu trabalho que irá concorrer, é muito importante explicar e convencer os jurados do porque a produção merece ser a ganhadora. Isso não vale apenas para a graduação, mas para a carreira! Então aproveita esse restinho de férias, separe o material, prepare sua defesa e aguarde. Em breve o Blog da Usina estará divulgando mais informações. Fique ligado!

 Por Daniella Koslowski, acadêmica de Jornalismo.

Redação K1 inicia nova temporada

Projeto do curso de Jornalismo da Unijuí reestreia como webjornal com publicação permanente de conteúdo

Redação K1

Notícias e reportagens sobre aspectos locais das regiões Noroeste Colonial, Missões, Celeiro e Fronteira Noroeste. É isso que o leitor vai encontrar no site do Redação K1, novo endereço do projeto do curso de Jornalismo da Unijuí que já existe desde 2012.

O projeto leva o nome da sala, K1, em que são desenvolvidas várias das aulas de redação do curso no campus Ijuí. A proposição na nova fase é consolidar-se como um webjornal com notícias sobre a realidade local. Ao mesmo tempo em que possibilita aos acadêmicos e acadêmicas de Jornalismo um espaço de formação profissional, o projeto contribui com o jornalismo local. Para a professora de Redação Jornalística I, Marizandra Rutilli, o K1 é uma oportunidade para que os estudantes possam perceber os contextos locais e colaborar socialmente por meio do texto escrito.

Todas as quintas-feiras será publicada uma nova reportagem em profundidade, sobre temas da região, ou com um olhar regional para temas mais amplos. Nas terças-feiras serão publicadas as notícias. As reportagens foram produzidas na disciplina de Redação Jornalística III, ministrada pela professora Lara Nasi e as notícias na disciplina de Redação Jornalística I, a cargo da professora Marizandra Rutilli, no primeiro semestre de 2018.

“Nossa expectativa é que o site, agora como projeto permanente do curso de Jornalismo, traga uma pluralidade de fontes para aprofundar o debate sobre diferentes temas sociais na região, seja em notícias, reportagens e até em outras linguagens”, finaliza Lara.

As produções do Redação K1 também podem ser acompanhadas na fanpage do projeto.

Inscrições abertas para o II Simpósio Internacional de Comunicação

titulo

O II Simpósio Internacional de Comunicação (SIC) que acontece na Universidade Federal de Santa Maria – Campus Frederico Westphalen, nos dias 22 a 24 de agosto, está com as inscrições abertas. O evento destinado a docentes e acadêmicos, tem como intuito propiciar um espaço para o debate científico sobre questões emergentes do cenário comunicacional, em especial, acerca da interface entre processos de comunicação e transformação social.

O envio dos resumos expandidos é até dia 22 de junho, e o prazo final das inscrições é até o dia 22 de julho. Os valores para participar variam de acordo com as seguintes categorias: estudantes de graduação UFSM (R$35), estudantes de graduação externos (R$45), Estudantes da pós-graduação (R$75), profissionais (R$75) professores e pesquisadores (R$90).

A divulgação dos trabalhos aceitos por GT será no dia 22 de julho. A data de submissão de trabalhos completos para a inclusão nos Anais é até 23 de setembro. A inscrição pode ser feita no site do evento. Para saber da programação, acesse.

Por Daniella Koslowski, acadêmica de Jornalismo.

Turma de Publicidade lança a campanha #TroqueFogosporAmor  

 

troque hashtag

Na quarta-feira, dia 13, os alunos de Publicidade e Propaganda lançaram a campanha #TroqueFogosporAmor. Produzida na matéria Criação e Produção em meios digitais e orientada pela professora Márcia Almeida, a campanha foi uma proposição da Associação Protetores da Vida – Ijuí (APV) com intuito de conscientizar a população sobre os malefícios dos fogos de artifícios.

O foco da campanha foi o de aproximar as pessoas da discussão acerca dos malefícios que os fogos podem causar aos animais, crianças, autistas, idosos, dentre outros. Por isso, a produção foi toda voltada às redes sociais, com ênfase no Facebook. “A poluição sonora causada pela queima de fogos acaba com o sossego de pessoas e animais, provocando ainda perturbação em pacientes e hospitais. Além de perturbar e dificultar o tratamento de crianças com autismo, é causadora de traumas irreversíveis aos autistas e animais, principalmente por serem mais sensíveis”, afirma o vereador Adalberto de Oliveira Noronha (PT), citado na audiência pública que debateu o assunto em Ijuí.

A hashtag #Troquefogosporamor assina os posts referentes à temática dos fogos, conferindo unidade para as peças e instigando a atitude somada à reflexão. A campanha também atende ao briefing aplicado aos representantes da APV, que busca o diálogo com as pessoas por meio da emoção e não aderindo, nesta fase, uma mensagem de choque ou acusação.

O Projeto sobre a regulamentação do uso de fogos de artifício está tramitando na Câmara de Vereadores de Ijuí e é de autoria do Vereador Adalberto de Oliveira Noronha (PT). O PL tem por principal objetivo a busca da preservação da saúde e da integridade das pessoas, animais e meio ambiente.

troque fogos por amor

O DACOM precisa de você

O-Diretório-Acadêmico-precisa-de-vocêNo final de novembro, abrirá o edital para as eleições dos Diretórios Acadêmicos da Universidade. Segundo o secretário do Diretório Acadêmico Central Pra Mudar Unijuí, Mateus Soares, como nos outros anos não houve procura para eleição de um Diretório Acadêmico da Comunicação (DACOM), o edital para os cursos da COM seria ofertado no próximo ano, “para que o pessoal consiga se organizar em chapas e concorrer e também para que as eleições não caiam em semana de prova, no entanto, como esse ano houve procura dos próprios alunos da comunicação para um novo Diretório Acadêmico, as eleições serão feitas no final de novembro”.

O edital ainda não foi lançado, entretanto, Mateus adiantou algumas das regras solicitadas pelo DCE: é preciso inscrever seis membros sendo: o Presidente, o Vice-Presidente, um Secretário e um Vice-Secretário, um Tesoureiro e um Vice-Tesoureiro, e são permitidos mais seis colaboradores que não precisam necessariamente ter um cargo, mas que ajudem na gestão. “Após o término das inscrições das chapas é feita a homologação para ver se os documentos estão certos, então é solicitada a identidade, CPF, cartão de estudante e comprovante de matrícula. Caso tiver mais de uma chapa, ocorre a eleição com urna itinerante que passa nas salas. É feita a contagem de votos e anunciada a chapa vencedora”, explica.

Função do Diretório Acadêmico

O Diretório Acadêmico é responsável pela representação dos estudantes perante à Universidade. Além disso, o diretório participa do conselho de DCA e DA que é uma instância dentro do DCE que debate os problemas menos graves da instituição, responsável por pequenas, mas importantes medidas da representação estudantil. O diretório também é responsável por conseguir a liberação do FAE (Fundo de Atividades Estudantis). Para a liberação desse Fundo é preciso à assinatura dos integrantes do diretório acadêmico. Todo ano o valor do FAE é renovado e neste ano o valor para os cursos da comunicação é de R$1.391,00, sendo que para 2018 existe a previsão de aumento em 20%.

O publicitário Fábio da Costa Petry, presidente do DACOM na gestão de 2009/2010, comenta sobre esta experiência: “A responsabilidade e a possibilidade de executar ações mais concretas, com resultados em curto prazo, me trouxeram a certeza que para fazer a diferença basta querer. Na parte pessoal, penso que todos da gestão que participei tiraram algum proveito. Das risadas aos desentendimentos, aprendemos “na marra” como era trabalhar em equipe, como era confiar no próximo, como nos organizar como entidade. Essas características estão presentes em cada um dos colegas, mesmo que tenhamos traçando caminhos diferentes”.

Para Petry, a ação mais significativa foi a “DIGA NÃO A EXTINÇÃO – Proteja os animais da Comunicação”, que mobilizou a maior parte dos alunos de Comunicação Social em prol de algumas reivindicações como: computadores de baixo rendimento, a liberação de acesso a sites de redes sociais e bancos para o prédio da comunicação que não existiam. Também houve participações junto ao colegiado para facilitar o acesso do FAE que facilitava a organização de eventos e viagens dos acadêmicos.

O Diretório Acadêmico, segundo Fábio, é a ponte entre os interesses dos alunos com a universidade, responsável em organizar atividades que proporcionem a melhoria da qualidade do ensino superior, além de realizar ou auxiliar em todas as confraternizações. No caso de um Diretório Acadêmico de Comunicação essas atribuições devem servir como um guia, mas não como limitador. “Acadêmicos de Comunicação Social devem ser inquietos e questionadores, devem ser elementos de transformação pessoal e comunitária, com isso as atribuições do DACOM devem ir até onde for necessário para atingir o melhor bem comum possível”, afirma.

Ficou interessado em montar uma chapa para o Diretório Acadêmico da Comunicação? Para mais informações acesse a página do DCE no facebook.

Dia Nacional do Cinema Brasileiro: Pegue a pipoca

Dia-nacional-do-cinema-Brasileiro

Neste domingo, 05 de novembro, é comemorado o Dia Nacional do Cinema Brasileiro. A data homenageia a primeira exibição cinematográfica pública do País,  evento que aconteceu em 1896, no Rio de Janeiro. Em alguns lugares a comemoração é feita no dia 19 de junho, que foi realizada a primeira filmagem em terras brasileiras. A filmagem retrata uma “vista” da Baía de Guanabara, filmada pelo italiano Alfonso Segreto, em 1898.

Desde sua criação, o cinema é uma atividade acessível e próxima do espectador. A proposta surgiu como uma forma de diversão popular. Em 1975, o Brasil possuía cerca de 3300 salas cinema, sendo 80% apenas em cidades do interior, região que reunia toda a população local para exibir os filmes.

Para comemorar essa data, separamos algumas dicas de filmes brasileiros. Confere aí:

 

O auto da compadecida

O auto da compadecida (2000)

A adaptação da obra de Ariano Suassuna conta a história de João Grilo (Matheus Natchergaele), um sertanejo pobre e mentiroso, e Chicó (Selton Mello), o mais covarde dos homens. Eles lutam pelo pão de cada dia tentando enganar todos do pequeno vilarejo de Taperoá, no sertão da Paraíba. A salvação da dupla acontece com a aparição da Nossa Senhora (Fernanda Montenegro).

 

Dois filhos de Franscisco

Dois filhos de Francisco (2005)

O filme conta a trajetória de Zezé Di Camargo e Luciano até ao estrelado. A emocionante história dos meninos que saíram da roça em busca de seu sonho de virar cantor e a luta incessante do pai para ajudar neste sonho.

 

Tropa de elite

Tropa de Elite (2007) Capitão Nascimento (Wagner Moura) está à procura de um substituto para seu cargo. Dois amigos de infância tornam-se policiais e se destacam pela honestidade e honra ao realizar suas funções, se indignando com a corrupção existente no batalhão.

 

Meu nome não é jonhy

Meu nome não é Jonhy (2008)

João Guilherme Estrella (Selton Mello) nasceu em uma família de classe média do Rio de Janeiro. Conheceu o universo das drogas, sem nunca pisar numa favela, se tornou o maior vendedor de drogas do Rio de Janeiro.

 

Era uma vez

Era uma vez (2008) O filme que ficou conhecido como Romeu e Julieta brasileiro, conta a história de Dé (Thiago Martins),  um menino que nasceu na favela e se apaixonou pela filha de um milionário, Nina (Vitória Frate).

 

Assalto ao banco central

 

Assalto ao banco central (2011) 

O filme conta como foi planejado e executado o segundo maior roubo de bancos do mundo, que aconteceu em Fortaleza, no Ceará.

 

 

 

Os homens são de marte… E é pra lOs homens são de marteá que eu vou (2014)

Fernanda (Mônica Martelli) trabalha na organização de casamentos. Solteira aos 39 anos, ela passa a maior parte do tempo procurando o grande amor de sua vida e até modifica toda ela para ir atrás de um homem.

 

Julio Sumiu

Julio sumiu (2014)

Após o sumiço do filho Julio (Pedro Nercessian), Edna (Lilia Cabral) vai à procura de seu filho na delegacia com Eustáquio (Dudu Sandroni), seu marido, mas eles são destratados pelo delegado adjunto J. Rui (Augusto Madeira), que estava mais interessado em conquistar a colega de trabalho Madalena (Carolina Dieckmann). Após receber um recado que o filho está com Tião Demônio (Leandro Firmino), o chefão do tráfico do morro ao lado, Edna decide ir até lá negociar. Surpreendida por um tiroteio, ela acaba guardando 20 kg de cocaína para o traficante que, em troca, promete libertar Julio. O problema é que Sílvio (Fiuk), ao descobrir a cocaína, decide vendê-la.

Mais forte que o mundo

Mais forte que o mundo (2016) 

José Aldo (José Loreto) encontra na luta um jeito para desligar-se do mundo e dos problemas com o pai. Procurando um futuro melhor, ele se muda para o Rio de Janeiro e vai morar de favor no alojamento de uma academia.

 

Sob pressão

Sob Pressão (2016)

O doutor Evandro (Julio Andrade) e sua equipe, formada pelos doutores Paulo (Ícaro Silva) e Carolina (Marjorie Estiano), é a história da realidade de muitos hospitais do Brasil, no filme os médicos operam e salvam vidas com estruturas muito precária que em alguns lugares isso seria impossível e inacreditável de se fazer.

 

Artigo baseado em dados do Adoro Cinema e Colégio Novo Espaço

Apresentações dos TCCs inicia na segunda-feira

Está chegando ao fim o último semestre da faculdade para a turma de formandos de Comunicação Social da UNIJUÍ. A defesa dos Trabalhos de Conclusão de Curso – TCC é o momento em que o aluno apresenta seu trabalho para uma banca composta pelo professor orientador e professor avaliador e já estão com as datas marcadas. Elas iniciam na próxima segunda-feira, 03 de julho, e são abertas ao público que tiver interesse em assistir.

Se você está interessado em acompanhar as apresentações confira a agenda e o tema das defesas:

Tabela