A imprensa cantada de Tom Zé

Tom ZéO que a música representa pra você?

Entretenimento? Balada? Válvula de escape? Expressão? Cultura? Política? Cada um pensa e ouve a música de uma forma diferente.

A grande riqueza desta forma de expressão está no fato de que a música pode embalar nossos pés. Mas não só. A música embala nossos pensamentos. Carrega e difunde humor e opinião também. Exemplo ideal são as músicas do cantor brasileiro Tom Zé. Já escutou? Não? Então, vale a pena conhecer.

Antônio José Santana Martins (artisticamente conhecido como Tom Zé), nascido em 1936, baiano, participou ativamente do movimento musical conhecido como Tropicália nos anos 60. Nos anos 90, ganhou prestígio internacionalmente.

Tom Zé lançou hoje algumas canções do seu último EP. Canções que são, na verdade, uma resposta ao bombardeamento que sofreu no Facebook quando narrou um comercial da Coca Cola na campanha para a Copa do Mundo. Tom foi chamado de “vendido” por muitos internautas. Assista ao comercial:

 

Em resposta, seu novo EP chama-se “Tribunal do Feicebuqui”. Acompanhe estes trechos da música Tom Zé Mané:

 “Vendido, vendido, vendido!

 A preço de banana

 Já não olha mais pro samba

 Tá estudando propaganda”

“Não ouço mais, eu não gostei do papo

Pra mim é o príncipe que virou sapo

Onde já se viu? Refrigerante!

E agora é a Madalena arrependida com conservantes

Bruxo, descobrimos seu truque

Defenda-se já

No tribunal do Feicebuqui

A súplica: Que é que custava morrer de fome só pra fazer música?”

Com humor e opinião, Tom Zé utiliza da música para mexer com a cabeça de quem o está escutando. Expressa seu pensamento com ritmo e criatividade. Se defende e planta uma pulguinha atrás da orelha de quem o ouve.

Neste último EP, estão disponíveis cinco faixas de músicas para download. O cantor prepara o cenário para o próximo disco a ser lançado em setembro, incluindo as canções deste. Participam da composição das músicas várias nomes da música brasileira como Emicida, Tatá Aeroplano, O Terno, Filarmônica de Pasárgada e Trupe Chá de Boldo.

Existem várias formas de interpretar e sentir as músicas, como já foi mencionado no início deste post. Mas valorizar a música como liberdade de pensamento, como direito de resposta, como instrumento de democracia é um julgamento unânime e que deve estar presente em qualquer estilo, não acha? Entre nesse ritmo!

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s