Personalidade e competência= Drica Morais

Eu recordo a data: 31 de dezembro de 2009. Foi quando tive coragem de pedir demissão do meu antigo emprego, em São Luiz Gonzaga, para trabalhar em Ijuí. E não é difícil entender o motivo da minha insegurança. Eu trabalhava há cinco anos na Câmara de Vereadores e não tinha despesas com alimentação e moradia, por exemplo. Eu queria mudar, há tempos, mas tinha medo de não conseguir me sustentar ou me adaptar ao novo trabalho, no Jornal O Repórter. Mas acabei optando pela mudança. Embora eu gostasse de ser assessora de imprensa do Executivo, eu estava cansada daquela rotina, das mesmas conversas e, principalmente, de algumas mentiras. Eu tinha que me submeter a situações que não concordava, como não divulgar um fato, extremamente importante para a sociedade, porque poderia denegrir a imagem de determinado político. “Não estou estudando pra isso”, eu pensava. Eu queria ajudar as pessoas, queria me sentir mais útil. E foi isso que mais pesou na minha decisão.

No dia 5 de janeiro deste ano, iniciei na redação do jornal. Eu estava perdida, não conhecia as pessoas e não sabia, sequer, me localizar na cidade. Sabia o caminho do Campus até a Praça da República, mas não era o suficiente, haha! O bom é que pude contar com a ajuda de todos os jornalistas e estagiários. É um dos poucos locais, acredito, em que há união entre a equipe. Mas o mais legal é ter contato, todos os dias, com pessoas diferentes. Pelo número de sonoras que tenho, creio que já entrevistei mais de 150 pessoas. Já falei com artista drogado e com caras mal-educados. Já chorei junto com uma mãe que me relatava a morte de seu filho e me indignei com a atuação de alguns profissionais locais. Errei nomes, recebi críticas e, por vezes, elogios. Ah, e quase “desencalhei”, hahaha, com um senhor de 93 anos! Situações que me fizeram ser ainda mais apaixonada por essa vida de (quase) jornalista.  

Mas, claro, há a parte chata no meio de tudo isso. Eu não recebo meu salário em dia, vivo no limite do banco e nem sempre posso fazer (ou comprar) algo que quero. Mas não me arrependo pela escolha que fiz.

 Quando eu ainda estava na Câmara, colaborava para o jornal laboratório O Barata e para a Revista Z Noroeste, de Zero Hora. Também trabalhei na redação de uma rádio, quando o Executivo estava em turno único. Era trabalho que não acabava mais, mas eu gostava, pois sentia que aquilo estava me ajudando a crescer profissionalmente. E, da mesma forma, nunca me arrependi. Perdi vários finais de semana e muitas noites de sono, mas valeu cada segundo. Hoje, por exemplo, eu divido meu tempo com o jornal, o projeto experimental, as aulas e a monografia. É puxado? Sim, mas sei que valerá o esforço.

Por fim, eu digo: tenham a coragem de arriscar, de meter a cara em trabalhos na área. Busquem estágios, mesmo que não sejam remunerados, mas experimentem. É na prática que a gente aprende de verdade e começa a se moldar como profissional. E, por favor, não se iludam: jornalista ganha mal e trabalha muito. Mas é ótimo quando tu consegues fazer o bem para alguém, ou quando escuta um “obrigado” de algum entrevistado. Nessas ocasiões eu me sinto completa, e até esqueço a conta negativa no banco, hahaha!

Anúncios

7 respostas em “Personalidade e competência= Drica Morais

  1. sabe, eu gosto da drica, só não sei pq…
    deve ser culpa do cabelo. ou quem sabe por ter acompanhado e idolatrado a trajetória desde o primeiro semestre.
    ou simplesmente por ser a drica. ponto.

  2. Júlia, é o cabelo. Aquelas celulazinhas pintadas de vermelho ainda serão responsáveis por mudar o mundo. Um pouquinho de cada vez.

    Beijo vermeia!

  3. A Drica vai longe. Um dia ela será a editora chefe da Bravo ou da SUPER. Até já pedi um emprego.
    Desde que a conheci já gostei. Ela é meiga, simpática e tem o dom da escrita (coisa ue todos nos futuros colegas desejamos).

    Beijos
    Te adoro

    E não esquece do meu emprego…

  4. Show, e que bom…
    Bom saber que você se sente completa Drica!
    Acompanhei as tuas escritas nos jornais, na revista, no barata e sempre gostei… um pé de cada vez e o caminho será de conquistas!
    Torço por ti muié Tomate! (Já estou até ouvindo você falar: TEU C(_), Ander) asuhsauhahsuhsa

    abração

  5. Eu até agora tava com dúvidas se tinha te dado um bom conselho falando para sair da Câmara, mas bom que não se arrependeu. hahahaha

  6. É impossível deixar de dizer que eu quero escrever como a Drica um dia. Eu sou completamente apaixonada por essa vermeia mal humorada que dá uma patadinha todas as manhãs em mim, mas que logo depois me dá um abraço de Felicia que eu não vivo sem.
    Seria muito bom que todos do curso, especialmente os iniciantes, lessem o que a Dri escreveu e entendessem o porque de escolher o jornalismo como profissão. Eu convivi e acompanhei toda essa mudança que ela relatou e realmente foi difícil, mas quando eu me sinto perdida e, muitas vezes, em dúvida sobre se é isso mesmo o que quero fazer eu penso na Dri e em toda a forma como ela me ensinou a olhar pro jornalismo.
    Eu só tenho a dizer que eu te amo muito Dri e que com certeza competência e determinação são palavras que não podem faltar pra te descrever. (ahh, só pra constar: o título foi eu quem deu a ideia)

    P.S: Quando ela for a editora da Bravo e eu escrever bem melhor do que escrevo hoje ela vai me contratar. E nunca, jamais, vai se livrar de mim. x)

    Te amo vermeinha!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s